Os livros preferidos das celebridades

O portal Bol publicou uma interessante lista revelando o livro preferido de algumas celebridades.

Dessa lista, tiro uma boa notícia, uma má notícia, uma conclusão e um fato:

A boa notícia:

Celebridades gostam de ler.

A má notícia:

O gosto de algumas delas é pra lá de duvidoso.

A conclusão:

Deixa estar.

É melhor ler um livro ruim do que não ler livro nenhum.

E o fato:

Desconheço totalmente algumas destas celebridades…

À lista!

 

1 – O Alquimista, de Paulo Coelho, é o livro preferido do ator Will Smith e da cantora Madonna. Gosto e nariz, cada um tem o seu…

ALQUIMISTA

2 – Memórias póstumas de Brás Cubas, do grande e brasileiríssimo Machado de Assis, quem diria, é um dos livros favoritos do cineasta Woody Allen: “Eu recebi pelos correios. Alguém que eu não conhecia me mandou e escreveu ‘Você vai gostar disso’. Eu li porque não é um livro grande. Se fosse maior, eu teria descartado. Mas fiquei chocado com como ele era charmoso e divertido. Não acreditava que ele tivesse vivido numa época tão distante. Você pensaria que foi escrito ontem. É tão moderno e prazeroso. É uma obra muito, muito original. O livro me despertou alguma coisa, da mesma forma que aconteceu com ‘O Apanhador no Campo de Centeio’ [de J. D. Salinger]. Era um assunto de que eu gostava e que foi tratado com muita inteligência, uma originalidade tremenda e nenhum sentimentalismo”, revelou Allen ao jornal “The Guardian”.

Aí, heim, Machadão! Está com tudo e não está prosa!

MACHADO

3 – Dom Casmurro, Machado de Assis. Como era de se esperar, o escritor brasileiro é referência para outras celebridades, como o músico e ator Marcelo Mello Jr. (Marcelo quem?!). Vá lá, eu não conheço o cara, mas só por gostar de Machado ele merece algum crédito…

DOM

4 – O Apanhador no Campo de Centeio, J.D. Salinger. E, por falar em Salinger, não poderia faltar uma celebridade fã do seu renomado livro. No caso, ninguém menos que Bill Gates: “Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever – inclusive a sua própria história”, disse Gates. O apanhador no campo de centeio é o seu livro favorito.

CATCHER

5 – O Caçador de Pipas, Khaled Hosseini. A atriz Grazi Massafera é fã da “comovente história de dois amigos de infância vivendo no Afeganistão da década de 1970”. Pessoalmente, do autor, prefiro Cidade do Sol; mas Grazi parece ter bom gosto para livros…

CAÇADOR

6 – O livro preferido da cantora Lady Gaga é Cartas a um Jovem Poeta, escrito entre 1903 e 1908 por Rainer Maria Rilke respondendo ao jovem aprendiz Franz Kappus sobre questionamentos a respeito da escrita. Três anos após a morte de Rilke, Kappus publicou o livro, por considerar muito importantes as lições de vida que aprendeu com o mestre.

CARTAS

7 – Daniel Radcliffe, o Harry Potter do cinema, tem como livro de cabeceira o curioso O Mestre e Margarida, do russo Mikhail Bulgakov. A obra, considerada um dos cem melhores livros (assim como O apanhador…) já escritos, que conta a história da chegada do diabo e sua comitiva na Moscou comunista de 1930.

O MESTRE E MARGARIDA

8 – Já a autora de Harry Potter, J.K. Rowling, tem como livro favorito Emma, de Jane Austen.

EMMA

9 – E, já que estamos falando do simpático bruxinho Harry Potter, de J.K. Rowling, um dos muitos fãs da saga é o cantor brasileiro Luan Santana. Nem digo mais nada…

HARRY POT

10 – Voltando a Jane Austen, Orgulho e Preconceito, que também figura no rol dos cem melhores livros, é o favorito da bela Keira Knightley, que, inclusive, interpretou a protagonista do livro, Elizabeth Bennet, na ótima adaptação da obra para o cinema. A Letícia Marreco não se cansa de assistir!

ORGULHO E PRE

11 – Já outra atriz famosa (e vencedora do Oscar por sua atuação em Cisne Negro), Natalie Portman tem como livro favorito O Diário de Anne Frank.

DIÁRIO

12 – Outra atriz, outro Oscar, outro livro: Anne Hathaway é fã de O Jardim Secreto, da inglesa Frances Hodgson Burnett.

JARDIM

13 – Mais uma atriz, mais um Oscar (curiosamente, recebido por um filme em que interpreta a atormentada escritora Virginia Woolf), mais um livro: Nicole Kidman ama As Crônicas de Nárnia, escritas por C.S. Lewis.

NARNIA

 

14 – A obra favorita da apresentadora Oprah Winfrey é O Sol é Para Todos, de Harper Lee. O livro fala sobre tolerância, justiça e racismo, na década de 1930, nos EUA, do ponto de vista de uma criança. Pessoalmente, prefiro a abordagem de Faulkner sobre o tema. Mas também é uma boa pedida. Ah! O Sol é Para Todos também é o preferido do ator Alec Baldwin.

O SOL

15 – Já o Tom Hanks tem como livro preferido A Sangue Frio, de Truman Capote: o livro narra a investigação do autor sobre o assassinato da família Clutter em 1959 nos Estados Unidos. Capote foi um dos pioneiros no jornalismo literário e, após passar um ano na região, entrevistando pessoas a respeito do acontecido e averiguando as circunstâncias dos crimes, escreveu o perturbador “A Sangue Frio”.

A SANGUE FRIO

16 –  Esse vale pela curiosidade: O livro preferido da atriz Fiorella Mattheis é A Montanha e o Rio, escrito por Da Chen;  a obra conta a história de dois irmãos, inimigos tanto na vida pessoal, por terem se apaixonado pela mesma mulher, quanto na vida política, em uma China do final do século 20. De onde essa garota saiu com esse livro?

MONTANHA

 

17 – Este livro é um clássico”, falou a atriz Giovanna Antonelli ao se referir a seu livro favorito, Gaivota, do russo Anton Tchekhov. O livro é reconhecido como um dos pilares da dramaturgia moderna.

GAIVOTA

18 – A Menina Sem Estrela, de Nelson Rodrigues, é o preferido da atriz Vanessa Garbelli: “Adoro este livro porque ele traz um Nelson Rodrigues diferente do que se percebe nas peças. Mostra uma fragilidade que é comovente” .

NELSON RO

19 – Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Marquez, é o livro de cabeceira do ator Leonardo Medeiros: “Esse romance me lançou a um mundo de fantasia sem limites até então desconhecido pra mim”. Finalmente alguém se lembrou do velho Gabo!

CEM ANOS

20 – O Lobo da Estepe, de Herman Hesse, mudou a vida do saudoso Cazuza…

LOBO

21 – 1984, de George Orwell, autor de “A Revolução dos Bichos” é o preferido do ator Mel Gibson. A distopia, publicada em 1949, narra a história de Winston, que vive em uma sociedade completamente dominada pelo Estado.

1984

E aí, o que achou da lista?

Anúncios

MARRECOS MIGRAM PARA O NORTE – SEGUNDA PARTE

UNIVERSAL

AVENTUREIROS, “PERO NO MUCHO”

Por eu mesmo:

No primeiro post, contei minhas peripécias para entrar nos EUA de férias ao lado da Letícia Marreco; agora é hora de falar da nossa aventura -pero no mucho- nos parques Universal Studios e Island of Adventures (atendendo a insistentes pedidos, com mais fotos desta vez). Acho que não mencionei, mas tanto eu quanto a Senhora Marreco temos absoluto pavor de brinquedos radicais. Sim, eu sei; é quase um contrassenso ter medo de alturas e de ficar pendurado de cabeça para baixo e ir aos parques de Orlando; porém, como diria o Bardo, “há muito mais coisas entre o Magic Kingdon e o Universal Studios do que a Dragon Challenge“. Além disso, nós havíamos, no dia anterior, encarado inadvertidamente a “Seven Dworf Mines”; portanto, achamos que estávamos preparados para desafios maiores…

UNIVERSAL STUDIOS

Let the games begin... opa, essa é de outro filme...

Let the games begin… opa, essa é de outro filme…

Um universo de diversão te aguarda do outro lado deste portal.

Um universo de diversão te aguarda do outro lado deste portal.

Se, no reino mágico do Mickey & cia., os pequenos se encantam com os personagens criados por Disney e sua trupe, os parques da Universal apostam em heróis do cinema e dos quadrinhos, alcançando um público mais crescidinho. E, como eu passei toda a minha infância e adolescência lendo HQs do Batman, Homem Aranha, Hulk e outros, acabei me identificando mais com este parque.

UNIVERSAL 2

Regra número um: nunca, jamais se abstenha de pagar qualquer mico. O que importa é ser feliz.

Mas, obviamente, o Universal Studios vai além dos personagens dos quadrinhos; tanto é assim que, assim que entramos no parque, nos deparamos com os Blue Brothers (Irmãos Cara-de-Pau) em sua famosa viatura policial roubada. Os caras circulam pelo parque dando carona (que deve custar algumas doletas) para os visitantes e, num determinado momento, param e fazem um show no meio da rua.

Como diria Mark Whalberg, I think we just found a Transformer!

Como diria Mark Whalberg, I think we just found a Transformer!

Essa foto aí é de um dos brinquedos mais requisitados do parque; através de recursos de robótica, simuladores de voo e tecnologia 3D, você participa de um vertiginoso e violento combate entre os Autobots e Decepticons; para a nossa sorte, somos protegidos pelo Optimus Prime!

Como eu disse, o Universal Studios não se resume aos heróis dos quadrinhos; de fato, um dos melhores shows que assisti, um misto de comédia e musical, é protagonizado por uma trupe de anti-heróis como Drácula, Frankestein e Lobisomem, comandados pelo impagável Beetlejuice.

Aguardando o início do show do deliciosamente sarcástico Beetlejuice.

Aguardando o início do show do deliciosamente sarcástico Beetlejuice.

 

Ei-los!

Ei-los!

JURASSIC PARK!

A partir deste ponto, você está por sua própria conta e risco. Ah, mas o risco não é lá tão grande...

A partir deste ponto, você está por sua própria conta e risco. Ah, mas o risco não é lá tão grande…

Uma das atrações principais é o mundo de Jurassic Park, onde o visitante interage com os lagartões de Steven Spielberg.

Ahhhhhh! Que susto de mentirinha que esse dinossauro de mentirinha me deu!!

Ahhhhhh! Que susto de mentirinha que esse dinossauro de mentirinha me deu!!

Achei essa parte a mais infantil do parque; a maior emoção -para quem não se aventura na montanha russa, é óbvio- é levar uma ducha no passeio de barco no River Adventure. O que pode ser bastante refrescante no verão da Flórida…

Vai uma ducha aí?

Vai uma ducha aí?

Quer se refrescar do calor? Vá ao River Adventure.

Quer se refrescar do calor? Vá ao River Adventure.

 

HARRY POTTER!

Deixei o Harry Potter para o final porque é, de longe, a melhor parte do Universal Studios e do Island of Adventure que nós fomos.

A caminho de Hogsmeade. Seja lá onde isso fica.

A caminho de Hogsmeade. Seja lá onde isso fica.

Mesmo se você, como eu, não assistiu nenhum dos filmes e desconhece completamente o universo do bruxinho mais famoso do planeta, não há como não se impressionar com a riqueza, a quantidade e a exatidão dos detalhes do seu mundo. Para começar, o Diagon Alley fica praticamente escondido; acho que, se algum visitante não souber da sua existência, pode andar por todo o parque sem encontrá-lo. A primeira pista para entrar no mundo da magia é o ônibus de três andares; a entrada para o Diagon Alley é logo adiante. Há um muro de tijolos vermelhos com uma passagem quase secreta; atravessando esta passagem, você se depara com a mágica Londres dos livros e filmes.

O ônibus mutante.

O ônibus mutante.

 

O impacto da primeira visão do Diagon Alley!

O impacto da primeira visão do Diagon Alley!

Diagon Alley.

Diagon Alley.

Claro que aqui também tem dragão...

Claro que aqui também tem dragão…

... E é claro que ele também cospe fogo!

… E é claro que ele também cospe fogo!

 

Alguém viu o Harry por aí?

Alguém viu o Harry por aí?

Bateu a fome?

Bateu a fome?

Que tal umas enguias gelatinosas? No, thanks...

Que tal umas enguias gelatinosas? No, thanks…

Outra coisa sensacional é que o ambiente de Harry Potter (Londres e Hogwarts) se divide entre os dois parques; para conhecer a ambos, você precisa pegar um trem (se, claro, tiver comprado os tickets para os dois parques) e se deslocar de um parque a outro.

 

Estação de Londres. Próxima parada: Hogwarts. A viagem é tranquila; mas torça para não ter um indiano em sua cabine...

Estação de Londres. Próxima parada: Hogwarts. A viagem é tranquila; mas torça para não ter um indiano em sua cabine…

Um dos maiores arranha-céus do Diagon Alley.

Um dos maiores arranha-céus do Diagon Alley.

 

Ô Harry, dá pra sair da frente que tá atrapalhando a foto?! Brigadão. E sem feitiços, heim?!

Ô Harry, dá pra sair da frente que tá atrapalhando a foto?! Brigadão. E sem feitiços, heim?!

Uma coisa engraçada nessa parte do parque é a quantidade de crianças e adolescentes -vá lá, adultos também- completamente paramentados como o bruxinho e seus amigos; as varinhas mágicas eu desisti de contar…

A riqueza de detalhes é impressionante!

A riqueza de detalhes é impressionante!

A neve é tão real que eu quase senti frio...

A neve é tão real que eu quase senti frio…

Toda essa neve, e eu sem meu casaco...

Toda essa neve, e eu sem meu casaco…

A escola de magia de Hogwarts.

A escola de magia de Hogwarts.

Mais de perto.

Hogwarts por outro ângulo.

Dentro do castelo de Hogwarts está o melhor brinquedo que nós visitamos; um alucinante passeio de vassoura em 3D; a sensação de voo é vertiginosa. E adivinha quem aparece para te apavorar? Lembra do dragão ali de cima? pois é, ele mesmo.

Sem falar, é claro, de você-sabe-quem…

Para finalizar esse dia mágico, fomos dar uma volta na famosa Downtown Disney, uma área comercial que concentra restaurantes e lojas, dentre as quais a maior loja de produtos Disney do planeta.

E, por falar em Planeta, não poderíamos deixar de experimentar o Planet Hollywood… 

Entrada do Planet Hollywood.

Entrada do Planet Hollywood.

A decoração do restaurante remete aos momentos marcantes de -adivinhem? Hollywood!

A decoração do restaurante remete aos momentos marcantes de -adivinhem? Hollywood!

- Aí, Simba? - Diz aí, James? - Não olhe agora, mas tem a maior gata sentada bem aqui na minha frente...

– Aí, Simba?
– Diz aí, James?
– Não olhe agora, mas tem a maior gata sentada bem aqui na minha frente…

Fomos de ribs & fries para repor as energias.

Fomos de ribs & fries para repor as energias.

No dia seguinte, exaustos e felizes, era hora de partir rumo a Nova Iorque. Mas isso é assunto para o próximo post…

Até lá!

 

P.S.: Enquanto andávamos pelo Jurassic Park, notei uma estrutura negra, gigantescas sendo montada ao lado.

O nome que estava escrito?

King Kong!

Certamente, terei que voltar ao Universal Studios!

 

 

 

MARRECOS MIGRAM PARA O NORTE – PRIMEIRA PARTE

MINHA PRIMEIRA VEZ NA TERRA DO TIO SAM

Duas crianças felizes.

Duas crianças felizes.

Por eu mesmo:

Por uma série de circunstâncias e contingências, durante nossos 12 anos de casamento (e contando), eu e a Letícia Moreira Vargas Marreco ainda não tínhamos tido a oportunidade de fazer uma grande viagem; mas, com a sua formatura em Direito se aproximando, achamos que havia chegado a hora. Pesquisamos, planejamos, conversamos bastante até finalmente decidirmos nosso destino: Nova Iorque.

A próxima fase era a preparação financeira: calcula daqui, economiza dali (sempre por conta da Letícia; questões orçamentárias aqui em casa ficam com ela. Eu não tenho nem ideia de qual seja a nossa despesa mensal), juntamos o valor que achávamos suficientes, compramos as passagens, reservamos estadia… tudo estava correndo conforme os planos, até que amigos nos convenceram de que seria preciso incluir a Disney no roteiro. Recalcula, replaneja, compra novas passagens por outra companhia (a política de remarcação de passagens da companhia pela qual voamos é ridícula: gastaríamos quase o dobro para alterar a localização de desembarque!) para voar de NY para Orlando, finalmente, com muita expectativa e ansiedade, lá vamos nós em direção à “terra dos livres, lar dos valentes”.

KAFKA ENTRA NA PARADA: QUASE DEPORTADO!

Sabendo de antemão como aquele pessoal da imigração dos EUA é paranoico, já fui ensaiando mentalmente meu discurso para justificar o fato de descer de um avião e embarcar em outro: se me perguntassem o motivo, iria mencionar Kafka para justificar a absurda burocracia das companhias aéreas brasileiras, a dificuldade homérica em alterar o destino, etecétera, etecétera… porém, mal sabia eu que o verdadeiro surrealismo me aguardava do outro lado da fronteira: ao manusear meu passaporte, o oficial me mandou que o acompanhasse a uma sala reservada; segundo ele -se é que entendi direito-, aparentemente, outra pessoa tentava entrar no país usando meu nome…

Lá fomos nós para a sala da imigração, onde aguardamos que outras pessoas fossem interrogadas antes de nós. Quando chegou minha vez, o oficial segurou o passaporte, mirou bem a foto, olhou para a minha cara e disse: “humm… este não é você. A foto é bem parecida, mas definitivamente não é você”. Fui obrigado a rir, o que pode ter sido um grave risco; mas, ora bolas! Como assim?! A foto foi tirada no próprio Consulado americano! Ouvir aquele policial falando coisas como: “sim, parece muito, mas a distância dos olhos, as orelhas… não, acho que definitivamente não é você” me fizeram achar que, afinal, o Brasil não é assim tão esculhambado. Depois de cerca de quarenta minutos de espera e de quase me deixar em crise de identidade, o policial finalmente me liberou. Mas havia um problema: nós desembarcáramos em NY por volta das 6:30 da manhã, e nosso voo para Orlando estava marcado para as 9:30; com a fila gigantesca e como o procedimento investigatório da imigração, fomos liberados faltando apenas alguns minutos para o novo embarque, o qual aconteceria em outro terminal. Corremos feito loucos pelos corredores do JFK (o que fez com que eu me sentisse o próprio Leonardo DiCaprio fugindo de Tom Hanks em Prenda-me se for capaz), nos informamos, pegamos o airtrain em direção ao terminal correto… só que, como o aeroporto estava em reforma, o trem foi para o lado contrário antes de seguir para nosso destino. Resultado: perdemos o avião, os cem dólares da remarcação das passagens e toda a manhã e parte da tarde do primeiro dia. Só chegaríamos em Orlando por volta das três horas. Como já tínhamos perdido muito tempo, decidimos partir direto para um dos pontos turísticos mais visitados por brasileiros em Orlando: os famosos outlets! Pegamos o carrinho que havíamos alugado, instalamos o GPS e… nos perdemos pelas ruas da cidade. Sim, eu sou um desastre em termos de senso de direção; e a Senhora Marreco não fica muito atrás. Depois de rodarmos a esmo por algum tempo (eu já estava conformado em dirigir até o México) e de duas ou três perigosas freadas bruscas no meio do trânsito (eu ainda não estava acostumando ao câmbio automático), finalmente encontramos nosso hotel. Deixamos as malas, descansamos um pouco e saímos. A primeira parada era uma loja da rede Best Buy, onde se compra eletrônicos com preços excelentes; em seguida -sempre apanhando do GPS e rodando mais tempo do que o necessário-, fomos passear no charmoso Mall at Millenia, pois lá se encontra uma das nossas metas gastronômicas: o restaurante Cheesecake Factory, mundialmente famoso pelos seus deliciosas -será que dá para adivinhar?- cheesecakes.

A entrada de um mundo de delícias: Cheesecake Factory!

A entrada de um mundo de delícias: Cheesecake Factory!

Fomos de Steak Diane e Shrimp Scampi, uma combinação sensacional de camarões com steak de angus, acompanhados de purê de batatas com champignons; e, de sobremesa, o divino Chessecake de doce de leite e caramelo; ótima pedida para encerrar nossa primeira noite nos EUA!

Embrulha que eu vou levar um de cada.

Embrulha que eu vou levar um de cada.

O prato mais delicioso que nós comemos nos EUA!

O prato mais delicioso que nós comemos nos EUA!

E, para finalizar, adivinha? Cheesecake!

E, para finalizar, adivinha? Cheesecake!

O dia seguinte estava reservado para o ponto mais visitado por brasileiros em Orlando, depois dos parques: os Outlets.

Quer comprar bons produtos com preço baixo? Seu lugar é aqui!

Quer comprar bons produtos com preço baixo? Seu lugar é aqui!

Como você já deve saber, os outlets são centros comerciais -geralmente localizados nas saídas das grandes cidades- onde as marcas vendem suas coleções diretamente ao público, com preços muito inferiores aos normalmente praticados; lá, você encontra marcas famosas -e caras- com descontos de quarenta, cinquenta por cento. Parada obrigatória para brasileiros, que compram de tudo, de tênis a relógios, passando por brinquedos e bolsas de grife, terminando por comprar a própria mala onde vão carregar tanta bagagem extra…

Parte do resultado de um dia de compras.

Parte do resultado de um dia de compras.

Passar um dia num outlet é uma experiência exaustiva, e pode ser também perigosa se você não tiver autocontrole. Estourar o cartão de crédito não deve ser difícil; e em tempos de dólar nas nuvens, todo cuidado é pouco. Como eu e a Letícia levamos todo o dinheiro que pretendíamos gastar, não corremos nenhum risco.

Uma das coisas que mais impressiona e desanima quando você lembra do Brasil é perceber o valor ínfimo de impostos que se paga nos EUA; enquanto, cá em Pindorama, há produtos sobre os quais incidem até 75% de impostos, as notas fiscais americanas apontam meros 6,5%. Não admira que as coisas sejam tão caras em nosso país; nós somos obrigados a sustentar um Estado paquidérmico, glutão e inerte. E, muitas vezes, corrupto.

Terminado o dia de compras com excelentes negócios, finalmente fomos para o hotel.

O dia seguinte seria dedicado ao Reino Mágico de Walt!

MAGIC KINGDOM: UM LUGAR REALMENTE… MÁGICO!

Provavelmente o castelo mais famoso do mundo.

Provavelmente o castelo mais famoso do mundo.

Tudo bem, você não é mais um garotinho de oito anos; ok, há tempos você não acredita mais em magos, fadas, dragões e ratos falantes. Mesmo assim, não há como não se encantar com os maravilhosos parques idealizados pelo sonhador Walt. E, ainda que a infância já tenha ficado em algum lugar distante, eu garanto que você sentirá a magia. Se fosse para definir os parques de Orlando (como o tempo era curto, fomos apenas no Magic Kingdom, Universal Studios e Island of Adventure) em apenas uma palavra, eu diria: excelência. Nada ali é apenas bom, nada é somente ótimo: tudo é excelente! Percebe-se o nível de exigência com a qualidade em cada detalhe, por mais ínfimo que seja; eu não encontrei sequer um arranhão na pintura, um prego ou parafuso exposto, absolutamente nada fora do lugar, mal acabado ou mal conservado! Tudo se apresenta da melhor forma possível para proporcionar ao visitante uma experiência perfeita e inesquecível.

Letícia voltando a ser criança.

Letícia voltando a ser criança.

Aí Pateta! Sai fora que essa aí tá comprometida!

Aí Pateta! Sai fora que essa aí tá comprometida!

Uma coisa que chamou nossa atenção em todos os parques foi o apreço pelos visitantes em cada detalhe. É claro que, em praticamente todos os brinquedos, se você não se animou a pagar o Fast Pass, você é obrigado a esperar em uma longa fila até chegar a sua vez; contudo, enquanto você aguarda na fila, vai brincando com outras atrações relacionadas ao tema. Por exemplo, no brinquedo em que você viaja até a Terra do Nunca, no percurso da fila, enquanto aguarda você assiste, ao vivo, à cena do filme em que Sininho entra no quarto das crianças e bagunça os objetos ao seu redor; em outro ponto, você vê a réplica da casinha da Nana. Tudo isso deixa a espera mais agradável -especialmente para os pequenos-, tornado sua experiência ainda mais deliciosa!

O quarto onde Sininho apronta. à medida em que a fadinha vai espalhando seu pó mágico, o barquinho balança, o globo gira e as crianças -e adultos- esquecem que estão na fila...

O quarto onde Sininho apronta. à medida em que a fadinha vai espalhando seu pó mágico, o barquinho balança, o globo gira e as crianças -e adultos- esquecem que estão na fila…

Na fila da Mansão Assombrada, você se diverte com os bustos e os versos nas lápides dos

Na fila da Mansão Assombrada, você se diverte com os bustos e os versos nas lápides dos “moradores” da casa.

covas

Ou toque esse órgão sinistro. Tá bom, nem é tão sinistro assim...

Ou toque esse órgão sinistro. Tá bom, nem é tão sinistro assim…

Perfeição em cada detalhe. Tanto no parque quanto na Senhora Marreco...

Perfeição em cada detalhe. Tanto no parque quanto na Senhora Marreco…

Na Taverna do Gastão você como a Fera.

Na Taverna do Gastão você come como a Fera.

Princesas de Frozen. Valentina, minha sobrinha, pira!

Princesas de Frozen. Valentina, minha sobrinha, pira!

A Bela e a Fera. Aí, quem pira é a Letícia!

A Bela e a Fera. Aí, quem pira é a Letícia!

E, claro, não poderia faltar um dragão malvadão cuspidor de fogo. Minha vez de pirar.

E, claro, não poderia faltar um dragão malvadão cuspidor de fogo. Minha vez de pirar.

Sim, ela também está lá...

Sim, ela também está lá…

O chefe da gangue e dono do pedaço em carne, osso e orelhas.

O chefe da gangue e dono do pedaço em carne, osso e orelhas.

Avisa lá que eu fiquei meio preso aqui, vou demorar a voltar pra casa...

Avisa lá que eu fiquei meio preso aqui, vou demorar a voltar pra casa…

No final do dia, papais, mamães e crianças exaustos pegam o ônibus de volta para seus hotéis.

No próximo post, Universal Studios e Island of Adventures; para mim, o melhor de Orlando!